Linguiça e Selvagem

Linguiça e Selvagem ou Selvagem e Linguiça. é uma historinha doida, seja qual for a ordem das coisas. Em abril, um cachorrinho apareceu em meu portão e resolveu que ali seria sua nova morada.

O mocinho simplesmente resolveu ficar. Primeiro eu trouxe uma caixa para ele não deitar no chão. Então apareceu um pano pra deixar  a caixa mais gostosa. Depois, uma vizinha que é protetora independente de animais, perguntou se não poderia colocar uma casinha ali, na calçada mesmo, pra ele poder se abrigar. Assim, Selvagem, o cachorrinho preto e branco, ganhou uma casa.

No começo foram muitos momentos de estresse. Eu colocava um pote de comida e água pra ele, de repente os potes sumiam. Saía na calçada e esbravejava, xingava. Selvagem se sentia importante. Estavam defendendo seus pertences.

Ele se sentia mesmo o dono do pedaço, e foi impossível não morrer de rir quando ele saiu correndo, latindo bravo, atrás do carteiro e do moço que veio colocar a conta de água na minha caixinha. Selvagem sabe que não gosto de receber coisas ruins!

Então, um belo dia, percebo que Selvagem não está sozinho. Havia encontrado uma companheira. Era só o que faltava! A minha calçada estava virando um abrigo. Ok. Eu me resignei. Agora havia a companheira que não desgrudava dele. Ele, sempre muito gentil, só vinha se ela também vinha. Só ia se ela fosse. Linguiça pareceu um bom nome pra ela. Foi o casamento do ano! 

Linguiça, a mocinha colorida, assustada como o quê, foi aos poucos percebendo que seu companheiro a protegeria e mostraria em quem ela podia confiar.

Já era recebida por ela com saltos e lambidas, com brincadeiras e festas. Uma alegria sem fim, mesmo pra uma pessoa que não quer cachorros. Assim os dias foram seguindo. De manhã colocar ração, trocar o pote de água, dar bom dia, fazer carinho. Isso depois de tratar os gatos. Os dois ganharam uma casa maior e muito confortável, de uma outra protetora. Podiam viver juntos e quentinhos. Ficavam abraçadinhos.

Mas uma fêmea é sempre um perigo: um perigo quando entra no cio e acaba gerando vários filhotes que, assim como os pais, acabam em situação de rua; um perigo porque os cachorros da rua entrariam em conflito com Selvagem, enfim. Os vizinhos já vinham encher o saco por conta da presença da amiga do Selvagem. 

A protetora independente fez o cadastro pra a castração de Linguiça. De três a quatro meses de espera. No mínimo. Putz. Vou ter que me agilizar. Espreme aqui, ali e mais um pouco e ok. Vou castrá-la. Entro em contato com várias clínicas, indicadas pela protetora, que atendem esses casos de rua. Marcada a cirurgia, era preciso tomar os cuidados de praxe: jejum, principalmente.

Depois de uma luta, consegui pegar a Linguiça e deixei-a na garagem. Selvagem ficou emputecido. Mas era preciso. Qual não foi minha surpresa ao ouvir uns gritos e perceber que a danada se espremeu entre as grades e fugiu? Corri atrás dela, chamei, implorei. NADA. Nenhum dos dois quis conversa.  Desisti. Estressá-la, na véspera da cirurgia, não era muito legal.

Sábado de manhã. Chuva. Um agradinho na mão e a captura da Linguiça! Nem comer o agrado ela pode. Foi só uma forma de atraí-la. De enganá-la. Dentro da garagem, coloquei a guia do Joaquim nela e a mantive presa até a hora de sair para a clínica. No carro, foi uma mocinha exemplar. Tranquila, embora curiosa. Selvagem seguiu o carro correndo enlouquecido. Ela olhava pela janela.

Na clínica, o atendimento. Mais ou menos 3 anos, quase dez quilos. Aparentando boa saúde. Um cliente a elogiou, tentou brincar com ela. Outros cachorros chegavam, ela tremia mas nem um único rosnado ela soltou. Sempre em pé, a meu lado, recebendo seus carinhos na cabeça, pra que soubesse que eu estava ali e que iria buscá-la mais tarde.

Mas aí as horas foram-se passando e quando o telefone tocou, já me aprumei para buscar a convalescente e mostrar a ela o cantinho que havia arrumado pra ela passar a próxima semana. Mas a pergunta me pegou de surpresa: “Oi, a senhora pretende colocar a Linguiça pra adoção? É que um cliente se interessou e gostaria de ficar com ela. Como a senhora disse que ela mora na rua, pensei que de repente fosse bom pra ela ser adotada.”

CLARO! SIM! Mas e o Selvagem? “Selvagem?” O Companheiro dela. Ela tem um amiguinho, são muito unidos. Poderia ver se a pessoa não quer ficar com os dois? “Bom, posso ver. Vou perguntar e te retorno, pode ser?” Sim.

Bom, não quiseram o Selvagem. Só mesmo a Linguiça. Que talvez continue se chamando Linguiça porque acharam engraçado.

Selvagem ficou, mais uma vez. Mas agora, triste. Não saiu do portão, mesmo debaixo de chuva. Chorava, latia. De certo me acusando por o ter separado de sua querida Linguiça.

Ah, como já chorei. Sempre pensava em como seria quando eu me mudasse. O que aconteceria com eles. Para onde iriam. Eu sabia que um podia sumir, morrer, sei lá. Que alguém podia passar e levar um deles embora. Mas não queria ter sido eu a separá-los. Dói demais.

Selvagem chorando no portão faz com que me sinta pior. Então resolvi que não vale a pena o bichinho ficar triste e molhado. Deixei ele entrar. Ele deitou na caminha que foi de Linguiça por algumas horas e permanece lá. Pensativo.

Esperando, talvez. Esperando o retorno de sua amada (que, se tudo correr bem, não acontecerá, porque agora ela tem um lar), ou melhor, esperando que ele mesmo, agora, consiga um lar pra chamar de seu. Mas pode deixar, amiguinho. Eu e as muitas pessoas que já te conhecem estamos buscando esse lar pra você!

 

 

Anúncios

Malvadeza

Foram quase catorze anos de convivência. E nem sempre foi fácil. A convivência entre nós duas sempre foi uma loucura. Cada uma territorialista, cheia de manias, imperiosa, de gênio difícil.

O último ano foi, sem dúvida, nosso ano mais próximas. Incrível. Só posso te agradecer por isso!

A sua braveza, sua cara fechada constantemente rendeu-lhe um apelido: babá, de “braba”. Babá Malvadeza.

Não era mais possível ver nessa rainha absoluta do lar a mesma coisinha medrosa, assustada que chegou à minha casa em setembro de 2003.

Como eu poderia não recebê-la? Quando eu soube que sofria maus tratos, mesmo sem poder, financeiramente, adotar outro filho, não consegui fechar os olhos e ignorar aquela vidinha. Uma bolinha de pelos, branca, cheia de pulgas.

Seu primeiro passeio no meu colo foi para o veterinário, antes mesmo de conhecer a nova casa. Tomou banho, foi escovada e foi vacinada. Agora ela poderia conhecer seu futuro esposo: Boris. Depois vieram os passeios no condomínio, na universidade e nos botecos!

O nome não seria Pandora, mas eu não quis causar uma crise de identidade nela. Adicionei o segundo nome: Pandora Helena.

Devido aos maus tratos ela morria de medo de subir nas coisas, inclusive na cama. Até descobrir que, na minha casa, sou uma mera serviçal. Quem manda são os gatos. Isso ela aprendeu rápido. E dominou a todos. Sem piedade.

Brigamos muito. Muito mesmo. Pra ela aceitar carinho, pra aceitar amamentar os filhotes quando nasceram, pra não bater no Boris, pra não quebrar o pote de mel do meu pai, pra não ficar grudada na tela da porta gritando quando entrava no cio.

Nosso primeiro momento de grude foi após a castração. Ela não saia do meu colo. AMEI aquilo. Ela era, afinal, sempre muito independente e não curtia esses momentos de babação.

Depois, era sempre a altivez dela impondo uma distância respeitosa entre a mestra e sua escrava.

Se eu demorava a entrar em casa ela miava, gritando, brava na janela: “entra logo, escrava, eu quero minha comida; quero meu cafuné, quero você dentro dos meus domínios”. Minto. Eu tenho certeza que não era “escrava”. Mas eram xingamentos poderosos, porque com a cara que ela fazia certamente não tava dizendo “querida mamãe”. E era isso o que eu amava. Aquela coisinha pequena ditando as ordens.

Tantas ordens que nunca outra fêmea pode entrar em seu espaço. A guerra era declarada. Assim ela ficou cercada de seus hominhos: Boris, Jorge, Joaquim, Otávio e José Emílio. A todos ela encarava e ditava as regras. Todo mundo obedeceu.

Ninguém a superava no quesito ronron. Era uma verdadeira máquina. A mão nem encostava nela e o motor ligava forte! Como me doeu no último dia perceber que não havia mais força pra isso!

As massagens foram as melhores de todo o universo. Incansavelmente ela amassava meu couro cabeludo e, enlouquecida com os meus cabelos, aproveitava o momento e me dava mordidas. Era uma malvada zumbi.

Quantas discussões pelo seu cabelo com dread! Não gostava de pentear e nem de se lamber. Era minha porcona terrível! Um estilo totalmente alternativo e no melhor “foda-se, humana!”.

Bolsas e sapatos gatomizados! Era especialista nesta arte!

Sol. Nunca vi um ser tão viciado em sol. Seguia o movimento do astro sempre procurando um lugar quentinho pra deitar. De preferência na almofada que me roubou. A que virou ” a almofada da Babá”.

Eu, domesticada, sabia o que cada miado bravo queria dizer: “abra a torneira da pia do banheiro!” “renove minha carninha!” “me dá essa almofada!” “manda eles saírem de perto!”

Nos últimos dois anos a luta era diária pra manter o peso, a hidratação, a saúde, enfim. E era estressante, claro. A gente continuou brigando. Mas ela deve ter percebido alguma coisa. Todos os dias me esperava na janela. Eu abria o portão e lá estavam aqueles olhos amarelos que sumiam rapidamente. A bolinha branca reaparecia atrás da porta e assim que eu abria, miava e saia correndo pra cozinha, esperando seu papá.

Depois, mal eu sentava ou deitava e lá estava meu pãozinho malvado empoleirando em mim. Pãozinho. Foi assim que a apelidei nos últimos tempos. Sua barriguinha me lembrava um pãozinho.

E o banho! Sair do banho e não dar de cara com aquele serzinho me esperando, ansiosa pelo carinho, pelos beijos, pela coçadinha no pescoço e nos bigodes foi algo a que me acostumei!

E agora? Agora meu pãozinho, minha malvada, minha magreza foi embora. Cansou de sua longa luta. Enfim pode descansar. Havia mostrado o quão importante era nossa relação e que apesar de tudo a gente tinha um laço inquebrável. Que nossa história era feita de nossas loucuras, nossas discussões, de nossas pequenas vitórias.

Chegar em casa e olhar a janela vazia. Abrir a porta e encontrar o silêncio. Sair do banho e não ouvir o seu ronron. Tudo isso me corta tanto que não sei nem explicar.

Só posso dizer que amei e amo demais a minha menininha, que tá doendo tanto que não sou capaz de falar. Eu disse pra você que você podia ir, que podia descansar, que eu te amava e que você me perdoasse por não ter podido fazer mais. Mas nada disso é suficiente, Babá. O buraco é imenso.

Eu sei que pra você foi melhor. Eu sei disso. Não estava sendo fácil, né? Mas não posso dizer pra ficou fácil pra gente aqui, viu?

Eu sei que você está brilhando em algum lugar aí fora. E que agora não tem dor, nem fome, nem medo. Eu sei.

E, Malvadeza, você sempre será a melhor malvada do mundo, a malvada favorita, a malvada mais deliciosa do universo. Nunca se esqueça disso.

Te amo, Malvada! Descanse bem, meu paõzinho. Você merece!

 

 

Pandora Helena: 20/02/2003 – 16/06/2017

A arte de escrever

Escrever é uma arte. Eu acredito nisso. Acredito que existe um estado de espírito apropriado para se escrever. Mas também acredito que se pode sentar num dado momento e “criar” uma espécie de espírito para se escrever. Explico:

Aquele dia em que a alma parece esfacelada, em que a dor é lancinante, em que o peso do mundo parece insuportável é, me parece, capaz de proporcionar belíssimas palavras, criar o momento certo para por pra fora tudo aquilo que se passa em nosso interior, todo o medo que nos aflige, toda a angústia que nos consome.

É incrível como todas as vezes em que me sinto envolta nessa névoa de tristeza e dor, tenho uma vontade louca de escrever, seja aqui, seja em meus cadernos. O resultado é incerto: às vezes o retrato do momento que, compartilhado, auxilia na minha recuperação, na mudança de perspectiva, na reflexão que gera a ação.

Às vezes eu consigo transformar numa piada. E, depois, fico rindo pensando em como aquilo tinha doído tanto se agora eu podia até chorar, mas chorar de rir!

Há, também a situação em que a dor, a raiva, o medo parecem impedir qualquer pensamento, qualquer ação e aí, é preciso abandonar tudo e fazer outra coisa e isso, talvez, te leve ao encontro das palavras que vão aliviar a alma.

Já no caso “espírito criado” a lógica é bem outra. É aquele momento em que você PRECISA sentar e escrever. Por qualquer motivo que seja: a manutenção de um diário, um artigo, um relatório de trabalho.

Às vezes é um processo tranquilo. As palavras fluem, as ideias são claras, tudo se resolve. Noutras ocasiões sua mente silencia, faz birra, não apresenta nem uma única ideiazinha cretina que seja! Nessas horas parece que nada no universo será capaz de ajudar.

O conselho é sempre “vá fazer outra coisa”. Parece óbvio, mas é difícil como o quê! Parece que você fica incapaz de se concentrar em outras coisas, que o tempo corre (especialmente se você tem um prazo a cumprir), que sua paciência acabou há milênios e que todas as coisas do mundo existem unicamente pra te irritar. Pelo menos é assim que me sinto.

Eu ando numa dessas crises infernais. Sento com um bilhão de ideias na cabeça e para que elas desapareçam, basta que eu posicione meus dedos sobre o teclado, ou que pegue uma caneta pra rascunhar alguma coisa.

Aí o ódio toma conta. Fico cega, xingo, levanto, ando, sento, fumo, como, bebo água. Leio alguma outra coisa sem conseguir absorver nada, bisbilhoto as redes sociais. Só pra me irritar mais. Aí o jeito é chorar e, depois, encher o bucho com alguma coisa doce, bem doce, ou gordurosa, bem gordurosa. Ou algo doce e gorduroso.

Cansada e com os olhos inchados já sou capaz de achar graça na minha atitude idiota. Que eu sei que é idiota, mas que sempre repito. É assim: quero escrever, não consigo, fico louca, choro, me encho de porcaria, relaxo, dou risada, fico triste, relaxo e volto à sanidade.

Aí, sabendo que a coisa não tem jeito, ou já entregando os pontos, ou cheia de raiva, ou qualquer outra coisa que pareça me trazer alívio (louco, né?) dou início a uma nova atividade: vou feltrar, vou brincar com os gatos, ou vou conversar (mesmo que seja comigo mesma, num dos diálogos malucos que envolvo a mim e a mim mesma).

No meio dessas coisas BUM, percebo onde estava o erro, ou o que foi que deixei de ver, ou o que foi que vi mal visto, ou relembro um texto que eu precisava horas atrás e que estava escondido nos confins da mente.

Ai é só sentar novamente e escrever. Mesmo que o resultado não seja exatamente o esperado é, pelo menos, um resultado melhor que o vazio anterior.

Os ombros relaxam, o rosto descontrai e já posso dormir em paz. Se não com a sensação de missão cumprida, ao menos admirando de novo a arte de escrever.

Longa quinta

A quinta estava sendo esperada com ansiedade. Eu precisava de mais ideias, de um norte. Tudo por conta da minha nova brincadeira: estudar o cemitério da cidade.

Vamos lá. Pensei que ia ser uma depressão sem fim, mas ta sendo justamente o contrário. Ganhei até apelido: “menina do cemitério”.

Como as coisas são sempre muito loucas, na noite de ontem começou a chover e eu só pensava que S. Pedroca teve a semana inteira pra lavar o quintal mas revolveu fazê-lo no dia que eu tinha pra correr atrás da pesquisa. Bem engraçadinho.

Acordei no horário de sempre, pois eu tenho gatos. É uma regra que todos que convivem com gatos conhecem. Eles são despertadores naturais e muito eficazes. Sempre.

Tratei a criançada, tomei meu café e fiquei matutando até dar a hora de pegar o primeiro ônibus rumo à sede da Secretaria de Cultura.

No ponto de ônibus já rolou uma conversa muito bacana com uma senhorinha que me contou um pouco da sua vivência com a fibromialgia, doencinha que conheço bem, infelizmente.

Dentro da lotação, que recebe esse nome muito corretamente, em pé, terminei de ler um artigo. No centro, corri procurando o novo ponto do segundo busão. E também corri pra fugir da chuva, claro.

Sentadinha, dessa vez, ouvia minhas músicas, lia o segundo artigo e pensava em que rumo dar às leituras. Em como botar a casa das ideias em ordem.

Cheguei a meu destino, rodeei o teatro e fiquei admirando uma casa incrível. Então, mesmo com cerca de 40 minutos de antecedência, fui me apresentar. Oi, a menina do cemitério chegou!!

João Laércio, o historiador, é uma pessoa super gente boa e eu teria ficado lá, de boa, viajando nas coisas e até esquecendo do meu cemiteriozinho, se ele também não fosse uma pessoa super requisitada. Caramba toda hora chegava gente querendo saber da história da cidade, saber sobre patrimônio histórico e arregalar os olhos com o meu tema. Foi muito legal. E já preciso voltar porque preciso aprender muito muito muito mais.

Na volta, peguei um ônibus diferente e passeei pelas ruas da cidade. E a cada esquina volta o pensamento: mora aqui há 15 anos e não conheço nada. Em que universo em estive? Essas falhas, essas lacunas, esse não saber me agonia, irrita, estressa. Aí o resultado são noites mal dormidas devorando livros e artigos.

Na UEM, a minha menina dos olhos, de novo o brilho. Aquele lugar é mágico. Só posso dizer isso. E também conheci o Luciano, da EDUEM. Altamente gente boa!

Fui ao Museu da Bacia do Paraná mas não consegui conhecer o sr. João Batista, ficou pra próxima. E fui atendida pelo Willian. Porra, fazia muito, mas muito tempo que eu não era tão bem atendida. Ele me contou que o seu João já é aposentado e que só vai ao Museu algumas vezes na semana, que não estava muito bem hoje e por isso não estava lá, me passou emails e tal. E quando perguntei como chegar a outro lugar na Universidade ele me explicou com tanto esmero que fiquei com vergonha de dizer que conhecia um pouco o campus e tal.

Então meus pés, doloridos, minhas costas moídas e minha bexiga explodindo imploraram pra que eu voltasse pra casa. Foi o que comecei a fazer.

Liguei minha musiquinha e vim viajando na maionese, coisa que faço muito bem, diga-se.

Cheguei em casa e, na cozinha, descubro uma lagoazinha particular. A Água da chuva invadiu tudo. Esqueci que tinha sede, que queria usar o banheiro, que os pés imploravam descanso. Peguei o rodo e fui cuidar do festerê.

Terminada a missão, sentei, acendi o meu cigarrinho e olhei pro tempo. Pô, que quinta que rendeu!

 

Bad Day

Poucas coisas são tão ruins quanto tentar dormir e não conseguir dormir. Porque deitar, fechar os olhos e permanecer com o cérebro a mil é doentio.

Uma coisa maravilhosa é imaginar aquela noite em que se deita, exausto depois de um dia miserável, e dormir o sono dos justos. Em paz.

Eu nem sei mais o que é isso.

Deitar é a hora temível. A hora em que o dia repassa em minha cabeça, em que peso o que eu disse e o que não disse, o que fiz e o que não fiz. É medir a vida que imaginei que teria aos quase quarenta confrontada com a vida de merda que levo aos quase quarenta.

É encarar todas as decepções, as perdas, as limitações e os fracassos. Tento encarar positivamente e pensar que só sou quem sou porque vivi tudo o que o vivi da maneira como vivi.

Mas é também ver deitar por terra tudo o que achei que seria e que, ao fim e ao cabo, não sou.

É encarar o medo, as perdas. É encarar o que de fato se fez.

As noites, que sempre foram a hora mais deliciosa se tornaram as horas mais temidas. As horas em que vejo a mim mesma sem máscaras.

As horas em que morro por dentro quando um gato faz pouco xixi e com gotas de sangue. As horas em que me pergunto se terei como pagar o próximo aluguel. As horas em que me pergunto de que adiantou estudar o que amo se no fim das contas isso não paga a conta de água. A hora de engolir o orgulho por ter precisado fazer rifas para comprar ração e pagar o veterinário. A hora de questionar a inteligência. A hora de questionar a habilidade em lidar com a vida.  A hora de perguntar se vale a pena trabalhar feito um burro pra que ninguém veja ou reconheça isso. A hora de questionar os posicionamentos. A hora de pesar se vale mais a pena lutar pelo que se acredita ou ser um cretino com grana no bolso. A hora de se perguntar se vale a pena estar aqui.

A hora em que a dor de estar aqui grita mais alto.

Deitar e não dormir é cruel. Cruel porque te obriga a encarar a merda toda. A encarar tudo o que você é e o que não é; a hora de repassar que você, aos quase quarenta, precisa da ajuda da mãe pra se manter; que precisa ouvir que um clube de livros é idiota (afinal quem, nessa situação, acha um clube de livros legal?). Hora de pensar que ter animais é idiota quando mal se consegue se manter com o mínimo possível. Hora de pensar que tudo foi em vão. Será que foi?

A hora de deitar virou um castigo. E chorar já não resolve.

E não é pena que se espera, e muito menos, palavras de consolo. Tudo o que se deseja é uma noite de sono em que seja possível esquecer. E dormir pra esquecer. E, se possível, nunca mais acordar.

O Retorno

Ah, que saudade do meu bloguinho querido. Há algum tempo eu não conseguia mais entrar aqui por uma das muitassalvando-o-blog lerdezas que cometo na vida. Depois do arrombamento da minha casa eu resolvi incluir itens de segurança em algumas plataformas que utilizo. Aí pensei que estava tudo muito bem, obrigada.

Então, as empresas de telefonia me resolvem incluir o 9 nos telefones do sul também. E eu, muito lerdamente nem me toquei que precisava tomar algumas precauções. Resultado: perdi o acesso ao blog.

Depois de muitas lutas – pois como diz meu irmão mais novo sou uma reles usuária do mundo da tecnologia -, depois de muita raiva, acabei desistindo e pensando em reativar meu blog velho. Até aí tudo bem. Mas o que fazer com os anos de textos daqui? Por não ter mais acesso, não conseguia sequer importar. Vamos lá no copiar e colar eternamente que um dia a coisa se resolve.

Aí, tava la sentada no sofá quando, entre outras milhares de dores existenciais, pensei no blog. Costura vai, costura vem, decidi tentar contato com o helpdesk do wordpress pedindo ajuda #peloamordosemor.

Aí começa a parte em que atesto a lerdeza, já tantas vezes ressaltada. Tudo muito bonitinho, muito técnico e eu “como vou explicar a minha situação?” Fui para o google translate (porque a preguiça domina, sempre) e escrevi um texto em português, copiei o resultado em inglês e mandei.

Minutos depois, enquanto caseava um ursinho, recebo a resposta. WTF???

Corri pro translate pra me ajudar a entender que tanto de coisa o tiozinho me falava. Hmmmm entendi. Vou responder pro translate again.

Aí começou a demorar e eu pensei: agora danou-se. Nem o tiozinho entendeu.

Mas… uma boa alma entrou em contato: Minha filha, como vai? Nós falamos português também, que coisa, não? Hahahhahahhahaa. A pessoa foi muito, mas muito mais gente boa que isso e me salvou. Aliás, salvou o blog. Ri muito e antes de terminar o ursinho vim postar minha queimação de cara internacional.

Porque, sabe, né? Se não for pra passar vergonha eu nem levanto da cama.

 

 

De novo, outra vez.

Mais um ano vai embora. Ao que vejo, 2016 não deixará saudade nenhuma. Crises política e econômica, a filhadaputice rolou solta, o medo veio querendo se instalar e o futuro que já pareceu mais certo, agora está nebuloso, quando não medonho.

Pra mim o ano foi daqueles inesquecíveis. Inesquecivelmente uma merda!

Começou o Boris internado em estado grave. Quando finalmente meu pelúcio voltou pra casa as finanças tinham ido por água abaixo. Fui segurando como dava pra tentar pelo menos pagar aluguel e os medicamentos dele.

Defendi minha dissertação e me tornei mestre. Era um sonho que se realizava, mas de uma maneira muito diferente da que eu havia sonhado. Até hoje não digeri as coisas direito pra poder falar com um pouco mais de razão.

Aí o José Emílio teve que passar por uma cirurgia para remoção de pedras na bexiga. O Jorge também resolveu passar por várias cistites e o Joaquim teve gastrite, chegando a vomitar sangue.

Para ajudar peguei dengue. A insônia se apossou de mim. A fibromialgia atacou com gosto. 2016 mostrava sua cara bem sacana.

Nada estava nos eixos quando minha casa foi arrombada e levaram minhas coisas. Computador, HD externo, pendrive, pulseiras, anéis, etc., e o pior: minha caixa de recordações, construída pelo meu pai quando eu tinha 13 amos. O que os malditos queriam com a minha caixinha eu não consigo imaginar já que ela só tinha coisas importantes pra mim, mas de valor financeiro zero. E aí lembro de minhas fotos, meus textos, minha dissertação, do início de uma futura tese, e de milhares de coisas que eu acumulava pra ver um dia. Isso e os mais de 600 filmes e séries. Ok. A gente recomeça. E aqui meus amigos se mostraram mais uma vez! Montaram uma campanha pra me mandar cartas novas. Eu, chorona que sou, podia ter criado um novo oceano!

A merda é que o assalto teve consequências terríveis. José Emílio recém operado, foi piorando até que ele sofreu uma evisceração. Fez nova cirurgia e passado dois dias, não resistiu e faleceu. Meu bebê tinha apenas 3 aninhos.

Eu, nos dias em que se seguiram ao assalto não dormia mais, tinha sobressaltos a todo momento. Um inferno. Perdi a vontade de ler, de estudar de fazer qualquer coisa. O medo se instalou. E o ódio também. Não podia mais ficar naquele lugar. Mudei e pra isso foi preciso abraçar novas dívidas.

Jorge que vinha de várias obstruções urinárias precisou operar. Era urgente. Houve a sugestão de eutanásia. Mas ele resistiu bravamente e hoje está doidão e mais animado que antes. E a mãe dele muito, mas muito mais pobre que em toda a história de vida dela. Mas ok.

Aí não houve jeito. Foi preciso aprender a nadar, já que a água não estava na bunda e sim no pescoço. Foi petsitter pra cá e pra lá. E, então, me aventurei em aulas online pra aprender artesanato. Até o momento são três trabalhos: o formal e mais dois informais. Nunca trabalhei tanto na minha vida!

A rotina se alterou imensamente. Se antes eu podia ler até os olhos caírem hoje mal consigo comprar um livro barato no catálogo do avon. E pra ler só mesmo quando a insônia bate.

Fins de semana, feriado e férias viraram tempo pra trabalhar no petsitter ou nos artesanatos. E confesso que me surpreendi comigo mesmo. Não porque eu tenha achado a fonte da alegria, mas porque eu achava que não daria conta e – embora eu ache que ainda falte MUITO mesmo pra poder considerar meu trabalho uma obra digna das artesãs – eu consigo fazer peças que antes só de olhar eu já me embanava toda. E já vendi coisas pra vários lugares! E isso faz com que a ração e os medicamentos da família sejam garantidos.

Por fim, Boris que começou o ano pelas últimas está estável. Joaquim está gordo, pré-diabético e preguiçoso, mas bem. Jorge está novinho em folha, Cototo permanece a alegria e o gás da juventude, do alto de seus dois aninhos. E a Pandora é aquela coisa: está nas horas extras. Uns dias são bons outros são terríveis e não há o que fazer. Se ela quer comer carne, é carne, se quer comer patê é patê. Magrelinha mas ainda malvada ela tá mandando em tudo muito mais agora que nos 13 anos anteriores.

2016 foi um ano muito difícil, que passou arrastado, que teve momentos horripilantes. Mas não foi só merda não.

Mais uma vez eu fui cercada por amigos maravilhosos, aos quais só posso agradecer até o infinito. Minha mamis também se desdobrou pra segurar as minhas pontas. Aprendi um montão de coisas e me diverti com isso.

Talvez seja mesmo nas horas mais fodas que a gente encontre a força mais genuína. Se for assim 2016 criou uma galera muito poderosa.

Ao fim e ao cabo, percebi que sou louca de pedra.

E, mais uma vez, de novo, recomeçaremos.

Tomara que dessa  vez a viagem seja, pelo menos, mais tranquila.