O resgate

Ela então se perdia. Quase sempre dentro de si mesma. No seu próprio mundo que apesar de tudo ainda lhe parecia o mais seguro.
Amava com uma determinação imensa e ao mesmo tempo uma fragilidade impressionante. De fora ninguém diria que amava nem a ela mesma, mas não era a verdade. Sim, a amava como acreditava que nenhum outro ser humano seria capaz de fazer. Amava todos os seus defeitos, acreditando que eles davam a ela aquela característica especial: ser ela mesma.
Impossível definir se odiava a vida real ou se apenas não a concebia como tal.
Incontáveis tentativas de fuga. Do seu mundo, do mundo todo.
A eterna busca por respostas: ciências e religiões. A seus olhos ninguém era capaz de entendê-la.
Aqueles que ousavam dela se aproximar não podiam compreender seu gosto, melhor, seu fascínio pela solidão, pelo prazer de estar só. Só com ela.
Tantos hábitos que julgavam estranhos fazia com que não criassem vínculos maiores. Por outro lado, a manutenção de seus hábitos estranhos a deixava feliz por não precisar manter proximidade com ninguém. Ela se bastava. O mundo, o seu mundo particular, era perfeito com ela e suas manias, seus gatos, seu cigarro e roupas coloridas, ás vezes fora da moda. E a moda…bem ela tinha a sua própria. Bastava-lhe ser ela, afinal com ela apenas, era possível ser ELA. Com os outros era quase forçada – em sua concepção – a não ser ela. Sozinha, era ela mesma sempre, para os outros era o que estes esperavam que ela fosse. Exemplos: sua risada precisava ser comedida, seus gestos mais sutis e sua opiniões moderadas. Não!!! Não gostava disso. Gostava de gargalhar, de criticar as pessoas e o mundo ao seu redor, de se olhar no espelho e com um sorriso tímido nos lábios pensar “pareço uma caixa de lápis de cor”. Ainda assim, buscava fugir. Não sabia para onde e nem entendia muito bem o porquê disso, mas era assim que sentia.
Certo dia, aparece-lhe um invasor. Seu mundo corria perigo. A intransponível torre que a protegia de tudo, parecia não ter mais aquela almejada segurança. E o invasor não desistia. Sua vontade era maior que tudo. Por onde quer que ela olhasse buscando uma saída, lá estava ele de braços abertos, esperando por ela.
O tempo passava e ela relutava. Não queria que alguém, fosse quem fosse, lhe tirasse daquele lugar cuidadosamente planejado, construído para lhe garantir o que ela precisava. Mas dia após dia, lá estava ele. Dedicado, apaixonado, fiel.
Um dia, quando ela se deu conta que sentia mais medo na torre, que segurança, resolveu pular. Antes calculou tudo o que poderia acontecer – porque ela sempre calculava tudo – mas resolveu fechar os seus olhinhos tristes e pular.
Pulou numa viagem que não mostrava segurança, mas parecia ser agradável, parecia lhe mostrar aquilo que as paredes lilases da torre não deixava ver. Aceitou o risco, acreditou ser possível. E entre tantas coisas que pareciam reais, refez seu mundo, colorido, com muros mais baixos, mas sempre saudosa de sua torre…
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s